1 Solo grampeado | Infraestrutura Urbana

Fundações e Contenções

1 Solo grampeado

Grampeamento de solos é usado para contenção de maciços. Saiba como é feito o procedimento

Por Rodnei Corsini
Edição 20 - Novembro/2012

O grampeamento de solo é um procedimento de contenção aplicado a cortes em maciços de terra. O sistema utiliza, basicamente, chumbadores, concreto projetado e drenagem, e tem como objetivo estabilizar taludes de corte de forma temporária ou, o que é mais comum, permanente. Tem execução relativamente rápida e custo relativamente baixo se comparado a outras tecnologias. A contenção ocorre por conta da ancoragem de chumbadores sub-horizontais, que atuam de forma passiva, e são introduzidos no maciço e depois fixados com calda de cimento.

A técnica pode ser aplicada em um maciço a ser recortado ou como reforço em taludes já existentes. No primeiro caso, a contenção é feita por etapas: executa-se a primeira linha de chumbadores e o revestimento com concreto projetado para seguir com o aprofundamento da escavação. Na segunda situação, quando o talude já está cortado, pode-se fazer a contenção de forma descendente ou ascendente. Simultaneamente ao avanço do grampeamento, é executado o sistema de drenagem - com drenos profundos, de paramento e canaletas ou descidas d'água.

Confira as recomendações de execução e dos elementos do sistema.

Daniel Beneventi

1 Chumbadores
Os chumbadores são formados por barras de aço introduzidas em uma perfuração no maciço e que recebem injeção de calda de cimento sob pressão. A barra de aço geralmente tem diâmetro de 10 mm a 25 mm e proteção anticorrosiva - quando seu diâmetro for de até 20 mm, costuma-se dobrar a ponta externa. Na barra, são montados centralizadores a cada 2 m - o centralizador auxilia o deslizamento da barra e o cobrimento da calda de cimento além de, como o próprio nome diz, manter a barra centralizada no furo. Adjacente à barra, é introduzido o tubo de injeção a ser usado para a calda de cimento.

Daniel Beneventi
Clique para ver o infográfico

2 Perfuração
As perfurações são feitas por meio de máquinas perfuratrizes. Os furos para os chumbadores têm sempre inclinação abaixo da horizontal, variando normalmente entre 5º e 30º. A cavidade perfurada deve permanecer estável até a injeção do cimento ser concluída. Para auxiliar na perfuração e na limpeza do furo, utiliza-se água, ar ou lama como fluido - o sistema de lavagem com água é o mais comum.

3 Injeção
A calda de cimento, cujo fator água/cimento é próximo de 0,5, é inserida pelo tubo de injeção. A calda, proveniente de misturador de alta turbulência, é injetada até que se preencha toda a perfuração.

4 Armação metálica
Após a execução do chumbador, é feita a instalação e fixação da armação metálica sobre o talude. Como alternativa à armação, pode-se usar fibras metálicas de aço no concreto projetado. As fibras são adicionadas diretamente na betoneira ou no caminhão-betoneira.

5 Drenagem
Para drenagem do maciço grampeado, usa-se normalmente o dreno sub-horizontal profundo e drenos de superfície, como as canaletas. Os drenos sub-horizontais profundos são elementos que captam as águas distantes da face do talude por meio de tubos plásticos drenantes, instalados em perfurações no solo - esses tubos são perfurados e recobertos por manta geotêxtil ou tela de náilon. As canaletas são moldadas no local e revestidas por concreto projetado.

6 Projeção do concreto
O concreto a ser projetado é impulsionado por ar comprimido. Para o sistema de solo grampeado, utiliza-se a forma de aplicação via seca, na qual o concreto é preparado a seco e a adição de água é feita junto ao bico de projeção, instantes antes da aplicação, pelo próprio equipamento. Normalmente, a resistência do concreto para solo grampeado é de 15 MPa - mas pode-se atingir valores de até 40 MPa. O concreto seco pode ser fornecido usinado, em caminhões-betoneiras, ou preparado no canteiro de obras. Entre os agregados, utiliza-se pedrisco ou pedra zero e areia média. O cimento pode ser de qualquer tipo e podem ser utilizados aditivos aceleradores de pega, secos ou líquidos, conforme a necessidade da obra.

Controle e fiscalização
Não há, no Brasil, normatização para o processo de grampeamento de solo como um todo. Entre as práticas seguidas para o chumbador, costuma-se tolerar erro de deslocamento local de até 15% da distância horizontal ou vertical no posicionamento do chumbador. Quanto à tolerância de inclinação, aceita-se uma variação em torno de 5º. O controle de qualidade do concreto é feito por extração de corpos de prova de placas moldadas em obra. Para esse controle, são levadas em conta normas de concreto projetado da ABNT. A projeção do concreto deve ter espessura controlada por meio de marcos aplicados a cada 4 m². Para a drenagem, devem ser avaliados e determinados as posições e os fluxos do lençol freático durante sua execução, pois essa determinação é difícil na fase do projeto. Como controle geral da técnica de solo grampeado, deve-se medir a deformação do maciço.

Por Rodnei Corsini
Fonte: Geosonda Serviços de Engenharia, Instrução de Projeto do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo (DER-SP).

>>> 1) Solo grampeado
>>> 2) Reforço de estruturas com fibra de carbono
>>> 3) Viaduto com cantitravel

Destaques da Loja Pini
Aplicativos