Complexo viário de 11.800m evita entrelaçamentos no interior de São Paulo | Infraestrutura Urbana

Transporte

Obra

Complexo viário de 11.800m evita entrelaçamentos no interior de São Paulo

Trevão de Ribeirão Preto, projetado para substituir a antiga rotatória Waldo Adalberto da Silveira, será capaz de suportar o tráfego contínuo de 160 mil veículos diários em 2045

Dirceu Neto
Edição 73 - Agosto/2017
Vista aérea noturna do complexo viário de Ribeirão Preto (SP)

O complexo viário de Ribeirão Preto (SP), inaugurado em dezembro de 2014, impressiona pelos números: são oito viadutos e 20 rampas de acesso, estabelecendo uma gigantesca 'teia' de vias curvilíneas, com aproximadamente 450 metros de diâmetro. Ao todo, se colocados em linha reta, são 11.800 m de extensão, que formam o maior trevo rodoviário do Brasil, capaz de suportar o tráfego contínuo atual de 92 mil veículos por dia, e que deve chegar a 160 mil veículos diários em 2045.

O 'Trevão de Ribeirão Preto', como foi apelidado o complexo viário, foi resultado de uma solicitação da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) para substituir a antiga rotatória Waldo Adalberto da Silveira, construída em 1972, e que já não suportava o fluxo que chegava a picos de 8 mil veículos por hora. A Arteris, concessionária que operava na região, ficou encarregada de elaborar o projeto de total remodelação do trevo.

Para isso, a concessionária contratou a Setenge, que deveria criar um projeto que conectasse as cinco vias que passam no local: Rodovia Anhanguera (pista Norte e Sul), Rodovia Antonio Machado Santanna (que liga Ribeirão Preto a Araraquara), Avenida Castelo Branco (entrada e saída da cidade) e Rodovia Abrão Assed (que liga Ribeirão Preto a Serrana). Além disso, o novo sistema precisava seguir um estudo de capacidade para atender ao tráfego por mais 30 anos.

Conteúdo exclusivo para assinantes da revista Infraestrutura Urbana

Outras opções

Destaques da Loja Pini
Aplicativos